De cultos online a 'não leia notícias sobre pandemia': como as religiões estão lidando com o coronavírus no Brasil




A preocupação com o novo coronavírus também chegou aos templos religiosos do Brasil. No fim de semana, algumas denominações, como igrejas evangélicas e mesquitas, suspenderam cultos e celebrações por tempo indeterminado para evitar a aglomeração e uma possível transmissão em massa do vírus entre os fiéis.
Para tentar resolver essa questão, alguns templos têm transmitido mensagens religiosas aos fiéis por meio de serviços de streaming, redes sociais, aplicativos e até do rádio. Há entidades que mantiveram alguns eventos, mas orientaram fiéis com mais de 60 anos ou com sintomas da doença a ficar em casa.
Por outro lado, alguns líderes religiosos de grandes igrejas disseram que não vão fechar as unidades e até pediram para que fiéis parem de ler notícias sobre a pandemia.
 transmissão da doença pode ocorrer por contato com pessoas infectadas ou superfícies que tenham o vírus — respirando no mesmo ambiente ou tocando algo que uma pessoa infectada tocou, por exemplo.

Transmissão crescente

Hoje, o Brasil tem 234 casos de coronavírus registrados e 2.064 suspeitos, segundo o Ministério da Saúde. A primeira morte foi confirmada nesta terça-feira (17/03).
Porém, esse número deve aumentar substancialmente nas próximas semanas, segundo projeções de especialistas e médicos. Por isso, cultos religiosos — que costumam receber centenas ou até milhares de pessoas — podem se transformar em um local de transmissão em massa, assim como jogos esportivos, protestos e festas.
Na Coreia do Sul, um dos países mais afetados pelo vírus, por exemplo, uma igreja foi responsável por boa parte das transmissões.
A Igreja de Jesus de Shinchonji, uma seita dedicada a expandir a ideia de que seu fundador, Lee Man-hee, é a segunda encarnação de Jesus Cristo, chegou a esconder das autoridades os nomes dos fiéis que estavam infectados — alguns deles viajaram pelo país. Dias depois, o líder da seita pediu desculpas à população pela negligência.
No Brasil, um dos templos que suspenderam todos os cultos foi a Igreja Batista da Água Branca, na zona oeste de São Paulo. Em comunicado nas redes sociais na quinta-feira, o pastor Ed René Kivitz afirmou que todas as atividades presenciais estão "suspensas até segunda ordem".
"Atendendo às orientações das autoridades e dos profissionais de saúde, nós resolvemos nos juntar a esse esforço global de contenção da disseminação do vírus", afirmou. Os cultos do domingo, dia em que a igreja recebe um grande número de fiéis, foram transmitidos ao vivo pela internet — no templo havia apenas alguns membros da denominação.
O mesmo ocorreu com a Comunidade da Vila, igreja evangélica na zona oeste paulistana — três cultos desse domingo, sem a presença dos fiéis, foram transmitidos pelas redes sociais e pelo aplicativo da igreja.
"Nós vamos manter nossa programação, mas você não precisa estar junto, porque estamos tentando evitar aglomerações", explicou o pastor Marcos Botelho, em vídeo enviado a fiéis.
"Não queremos criar pânico. Acreditamos que Deus está no controle de todas as coisas, mas queremos ajudar o Brasil a não espalhar o vírus de maneira rápida e não ocupar nossos leitos de hospitais. Nos vemos online", finalizou.
Outras religiões também têm seguido recomendações de evitar reunião de pessoas.

'Muita seriedade'

A Mesquita Brasil, no centro de São Paulo, é uma delas. "Estamos levando essa questão com muita seriedade. A partir da última sexta-feira, cancelamos nossas orações que têm congregações e reunião de fiéis, para evitar qualquer contato entre as pessoas", disse o xeique Mohamed al Bukai.
Segundo ele, outras mesquitas do país têm tomado medidas parecidas, mas, por enquanto, ainda não há transmissão de eventos pela internet. "Estamos esperando o que vai acontecer para decidir como continuar com nossas celebrações. Vamos aguardar mais orientações das autoridades", explica.
Segundo a Federação Israelita de São Paulo, algumas sinagogas da cidade também suspenderam as atividades, assim como todas as escolas judaicas da capital paulista. Fiéis com mais de 60 anos também estão sendo orientados a não comparecer aos locais de reunião. Por outro lado, há unidades que mantiveram os cultos em áreas abertas, como jardins, ou dividiram o público em diversos espaços.
Os terreiros de umbanda têm se dividido nessa questão, segundo o sacerdote Pai Engels de Xangô, dirigente do templo Amor e Caridade Caboclo Pena Verde, em São Paulo. Alguns locais suspenderam as atividades nessa semana, embora outros continuem abertos. Esses têm orientado os fiéis com possíveis de sintomas de covid-19 a ficar em casa.
"Estamos pedindo uma coisa difícil na nossa religião, que é evitar o cumprimento, o beijo na mão e a troca de bênçãos. São gestos muito tradicionais", explica. Seu terreiro continua aberto, mas ele diz que a situação pode mudar nos próximos dias, a depender da evolução das infecções no Brasil.
Para o pastor batista Levi Araújo, é importante que, nesse momento, denominações religiosas se posicionem com o objetivo de proteger seus fiéis e o restante da população.
"Seja qual for a religião, essa situação do coronavírus vai apontar quem são os fanáticos e os oportunistas, muitos dos quais só pensam em dinheiro. Esses vão continuar a promover a aglomeração de pessoas dentro das igrejas", disse à BBC News Brasil.
"Os religiosos de bom senso vão seguir as orientações da Organização Mundial de Saúde e das autoridades de saúde", afirmou ele, que também suspendeu viagens pelo Brasil e tem pregado apenas por meio das redes sociais e de aplicativos de vídeo.

Igreja Católica e líderes evangélicos

No sábado, a Justiça suspendeu missas e eventos religiosos no Santuário Nacional de Aparecida, interior de São Paulo, local com grande concentração de católicos. Nesse domingo, apesar da suspensão das celebrações, centenas de fiéis compareceram ao templo, pois as visitas estavam liberadas.
Outras denominações religiosas mantiveram as atividades plenamente — ou apenas com algumas alterações ou recomendações ao público.
A Diocese de São Paulo da Igreja Católica, por exemplo, orientou as igrejas a se manterem "limpas e bem ventiladas". As unidades com grande presença de pessoas devem aumentar o número de missas para evitar grandes aglomerações em um único evento, afirmou a cúpula.
"Durante as celebrações, evite-se o contato físico, sobretudo, na saudação da paz e na oração do Pai-Nosso; a comunhão seja recebida, preferencialmente, na mão", escreveu a Diocese, pedindo também que idosos ou pessoas com sintomas de covid-19 fiquem em casa.
Já grandes igrejas evangélicas do país, como a Sara Nossa Terra, Mundial do Poder de Deus e a Renascer em Cristo mantiveram os cultos.
A Renascer, por exemplo, afirma em seu site que vai disponibilizar álcool em gel, que a unção com óleo na testa deve agora ser feita com spray e que os fiéis não devem dar as mãos durante as orações e não terão mais funcionários disponíveis para manobrar os carros em estacionamentos da igreja.
Nos últimos dias, famosos líderes evangélicos causaram polêmica ao se posicionarem sobre o coronavírus.
O pastor Silas Malafaia, por exemplo, afirmou em um culto que não fechará sua igreja, a Vitória em Cristo, por causa da pandemia.
"Não vou fechar igreja coisíssima nenhuma. Se amanhã os governos disserem que vão impedir transporte público, fechar mercados, fechar todas as lojas… Como pastor, acredito que a igreja tem que ser o último reduto de esperança para o povo. Se fechar tudo, numa medida drástica, a igreja precisa estar de porta aberta."
Na semana passada, o missionário R.R Soares, da Graça de Deus, afirmou que a população "não precisa ter medo de jeito algum" do coronavírus. "Já houve outras ameaças no meio da humanidade. A profecia, lá no Apocalipse, diz que vai chegar um tempo em que uma terça parte das pessoas vai morrer. Mas ainda não estamos nessa época, não estamos na época de ganhar as almas para Jesus", afirmou.
Já o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, pediu que seus fiéis não leiam notícias sobre o coronavírus.
"Quem anda pela fé anda pela frente. Quando você vê no noticiário 'morreu fulano, beltrano teve coronavírus', não olhe para isso, não leia essas notícias", afirmou em um vídeo nas redes sociais. "Ao invés de você ler essas notícias que falam de morte e de quarentena, da epidemia e pandemia, olhe para a palavra de Deus e tome sua fé na palavra de Deus, porque essa, sim, faz você ficar imune a qualquer praga e a qualquer vírus, inclusive o coronavírus", disse.
Mesmo com a fala de Macedo, a Igreja Universal está tomando medidas para tentar impedir a disseminação do vírus em suas dependências, segundo nota da instituição enviada à BBC News Brasil.A denominação afirmou que vai limitar o número de pessoas nos templos caso as autoridades estipulem uma lotação máxima — mas que também vai aumentar o número de cultos para "atender a todos os que procuram a igreja".
Também disse que as pessoas "são orientadas a se sentarem distantes umas das outras, mantendo pelo menos uma ou duas cadeiras vazias entre si". E que também serão evitadas orações com imposição de mãos.
Fonte: BBC News Brasil, 17 /03/ 2020

Nenhum comentário

Deixe seu recado

Tecnologia do Blogger.